Projetos

INÍCIO FIM NOME DESCRIÇÃO
2018 2022 Educação intercultural: aprender com os povos originários do Sul e decolonizar a educação O projeto visa estudar as cosmovisões de povos originários do hemisfério sul, relacionadas com a concepção de “bem-viver”, em suas implicações decoloniais e não-coloniais para a construção de políticas de sustentabilidade, bem como de propostas e práticas inovadoras de educação intercultural e inclusiva. Alavancado pela rede de cooperação científica intercultural e internacional construída ao longo das últimas duas décadas, contando com o apoio institucional do Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas (PPGICH/UFSC) e do Griffith Institute for Educational Research (GIER), a presente proposta está sendo erigida como um processo sociopoético de pesquisa, congregando em rede pesquisadoras e pesquisadores, bem como mediadoras e mediadores interculturais ligados a povos originários do Brasil, América Latina, Austrália e África. Estudos de revisão bibliográfica permitirão fundamentar os processos de pesquisa em cooperação com os diferentes parceiros e interlocutores, bem como as entrevistas com mediadores interculturais e movimentos organizados de povos originários, atividades estas  que serão compartilhadas mediante intercâmbio interinstitucional ou seminários presenciais e virtuais. Os resultados do processo de pesquisa serão veiculados mediante publicações científicas e  produtos de divulgação em rede virtual, contribuindo para o avanço das pesquisas relacionadas com a interculturalidade crítica na área de educação, para a cooperação cientifica interinstitucional e internacional, para o estreitamento da interação entre universidades e movimentos sociais de povos originários, bem como para a construção de políticas interculturais de sustentabilidade e de práticas que fomentem a integração e empoderamento
das culturas e povos originários.
2014 x Desafios interculturais e ecológicos para a Educação científica e tecnológica O projeto em desenvolvimento no período de março de 2014 a fe vereiro de 2018 visa a estudar os desafios interculturais e ecológicos que se colocam hoje na região catarinense e a analisar as perspectivas do projeto político institucional do Instituto Federal Catarinense (IFC) em sua missão de promover a educação científica e tecnológica neste contexto. Para isso, conduzirá um processo de pesquisa participante institucional, articulado com uma rede interinstitucional de pesquisadores e pesquisadoras. Esta proposta assume importância estratégica para a mobilização crítica e proativa da comunidade acadêmica do IFC, no sentido de sintonizar suas ações e seus programas de educação científica e tecnológica com as necessidades locais e regionais, particularmente nas questões da diversidade cultural, preservação ambiental, inclusão social e digital. O processo de pesquisa ensejará a articulação de políticas internas e externas previstas no projeto politico-pedagógico do IFC, o apoio à formação e à consolidação de grupos de pesquisa, o fortalecimento da educação continuada de pesquisadores, bem como o estímulo à publicação e o estabelecimento de parcerias com institutos, universidades e centros de pesquisas nacionais ou internacionais, favorecendo a criação e o desenvolvimento de novos programas de pós-graduação strictu-sensu no IFC. A Universidade Metodista de Piracicaba, UNIMEP, Brasil. Faculdade Nossa Senhora Medianeira – Faculdades Anchieta de São Paulo, FASP, Brasil. importância institucional deste projeto se consolida por sua relevância e originalidade epistêmica e sociocultural, na medida em que avança numa cosmovisão crítica e decolonial. Tal perspectiva pode ter incidências sociopolíticas e ecológicas importantes. Pois, ao mobilizar formas decoloniais de poder e de saber, de ser e de viver, promove a construção de estratégias socioculturais, científicas e tecnológicas importantes para garantir a convivência de todos os seres humanos e da biodiversidade, para além de dispositivos hegemônicos de dominação sociocultural e de destruição sistemática da natureza.
2010 2014 Educação Intercultural: decolonializar o saber, o poder, o ser e o viver A interculturalidade se tornou tema de moda. Justamente po r isso se configura como tema paradoxal. O interesse pela interculturalidade, assumido em programas governamentais, movimentos sociais, pela mídia e mesmo pela pesquisa científica, vem romovendo o reconhecimento da diversidade cultural. Ao mesmo tempo, por vezes, apresenta-se como uma nova tendência multicultural sem sentido crítico, político, construtivo ou transformador. Contraditoriamente, o esforço por promover o diálogo e a cooperação entre sujeitos socioculturais diferentes corre o risco de reeditar novas formas de sujeição e subalternização, asfixiando a solidariedade crítica e criativa. Analisar em profundidade esta contradição é o problema que assumimos nesta etapa do processo de pesquisa do Núcleo Mover ? Grupo ?Educação Intercultural e Movimentos Sociais?. Nesta direção, este projeto integrado de pesquisa propõe-se a identificar, analisar e comparar processos de pesquisa que contribuem para a descolonialização do saber, do poder, do ser e do viver em práticas educacionais escolares e populares, promovendo o diálogo e a articulação entre os respectivos grupos de pesquisa. Como base inicial de informações, a pesquisa tomará o acervo de publicações apresentadas em quatro relevantes eventos internacionais de pesquisas interculturais, três seminários promovidos pelo Núcleo Mover (1997, 2003 e 2006) e um congresso, em parceria com Association internationale pour la Recherche Interculturelle (ARIC). Com este estudo, o grupo de pesquisa (1.) formulará um referencial e instrumental teórico-metodológico para o estudo da problemática, (2.) sistematizará e analisará a produção teórica publicada nos três seminários e no congresso focalizados, (3.) realizará estudos comparativos entre textos que discutem o processo dedescolonialização a partir de diferentes enfoques teórico-metodológicos e campos de ação
político-pedagógicas, (4.) promoverá a interação em rede entre os grupos de pesquisa que se tornaram in.
2007 2010 Educação Intercultural: desconstrução de subalternidades em práticas educativas e socioculturais O reconhecimento da multiculturalidade e a perspectiva intercultural ganharam grande relevância social e educacional no contexto brasileiro ? fortemente marcado pela desigualdade social e pelas lutas de caráter econômico-político ? com o desenvolvimento do Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas, com o avanço das políticas afirmativas das minorias étnicas, com as diversas propostas de inclusão de pessoas portadoras de necessidades especiais na escola regular, com a ampliação e reconhecimento dos movimentos de gênero, com a valorização das culturas infantis e dos movimentos de pessoas de terceira idade, nos diferentes processos educativos e sociais, assim como com as diferentes propostas de educação ambiental e para a sustentabilidade. A implantação destas propostas político-pedagógicas apresenta desafios de cunho metodológico que recolocam questões de natureza epistemológica. Verifica-se a irrupção de novos sujeitos socioculturais, que remete ao reconhecimento da subalternização de saberes e de conhecimentos estabelecida pela modernidade ocidental. Ao focalizar os processos históricos e sociais em que se evidenciam tensões inerentes a ambivalências constitutivas da identidade e da diferença cultural, o Núcleo Mover vem construindo a opção ético-político-epistemológica pela desconstrução de subalternidades, condição para a reciprocidade inerente à perspectiva intercultural. A partir deste ponto de vista, pretende concentrar a atenção em práticas educacionais e de formação de educadores articuladas com movimentos socioculturais brasileiros e latino-americanos, com a intenção de analisar dispositivos constitutivos de dialogicidade intercultural e de desconstrução de subalternidades, particularmente no âmbito das relações étnicas, geracionais, de gênero, de diferenças físico-mentais e de classe. O grupo integra pesquisas em nível de doutorado, mestrado e iniciação científica, que se articulam transversalmente ao focalizar o desenvolvimento de curso.
2004 2007 Educação Intercultural: elaboração de referenciais epistemológicos, teóricos e pedagógicos para práticas educativas escolares populares Objetivos Conceituar epistemologica mente a perspectiva intercultural da educação, focalizando no contexto brasileiro e latino-americano as relações de identidade e diferença que se desenvolvem em movimentos sociais, particularmente no âmbito das relações entre culturas étnicas, geracionais e de gênero, visando à elaboração de subsídios teórico-metodológicos para a formação de educadores, assim como para a educação popular e escolar. Metas Sistematização e análise crítica dos estudos e das experiências recentes que focalizam questões e perspectivas interculturais em práticas educativas e movimentos sociais no Brasil. Elaboração de referencial epistemológico para a educação intercultural. Elaboração e experimentação de subsídios teórico-metodológicos e didáticopedagógicos para a educação intercultural.
2002 2004 Educação intercultural: desafios e perspectivas da identidade e da diferença cultural em práticas educativas e movimentos sociais no Brasil Objetivo Conceituar epistemologicamen te a perspectiva intercultural da educação, focalizando no contexto brasileiro as relações de identidade e diferença que se desenvolvem em movimentos sociais, particularmente no âmbito de culturas étnicas e geracionais, visando à elaboração de subsídios teórico-metodológicos para a formação de educadores, assim como para a educação popular e escolar.
2000 2002 Educação Intercultural: desafios e perspectivas da identidade e pluralidade étnica no Brasil Objetivos 1. Investigar as relações interculturais entre diferentes grupos sociais, particularmente na região Sul do Brasil. 2. Estudar processos de construção de cidadania e de reconhecimento social, focalizando as tensões entre igualdade e diferença, unidade e pluralidade que se configuram nos movimentos sociais. 3. Formular possibilidades de enfrentamento destas tensões na perspectiva de educação intercultural. Metas 1.Desenvolver pesquisas articuladas ao referencial teórico-metodológico e aos objetivos deste projeto. 2. Formar pesquisadores em nível de iniciação científica, de mestrado e de doutorado. 3. Produzir subsídios teórico-metodológicos na perspectiva da educação intercultural para a elaboração de orientações didático-pedagógicas e para a formação de Rducadores. 4. Interagir com os núcleos de pesquisa atuantes na área temática, no sentido de articular e alimentar uma rede de cooperação científica.
2001 2003 Educação intercultural e movimentos sociais: cidadania e reconhecimento identitário no sul do Brasil – Plano Sul de Pesquisa e Pós-graduação Temática: Com a globalização, as relaç ões sociais tornam-se, no plano econômico e político, cada vez mais transnacionais e, no plano cultural, enfrentam o desafio da diversidade, do respeito à diferença e ao princípio da igualdade. Juntamente com a defesa das identidades (étnicas, de gênero, geracionais, comunitárias, ecologistas e de solidariedade sócio-econômica) surge a necessidade de abertura e interação com os diferentes, abrindo possibilidade de ações coletivas sob a forma de redes e parcerias, onde a complementaridade se constrói a partir do respeito às diferenças. Tal quadro de complexidade das relações sociais no mundo contemporâneo requer novas orientações epistemológicas no campo da pesquisa e da educação. O presente projeto assume este desafio mediante a constituição de uma equipe interdisciplinar envolvendo pesquisadores dos campos das Ciências Humanas e Sociais, especialmente da Antropologia, Sociologia, Educação, Serviço Social e Comunicação. Objetivos Gerais: Investigar as relações interculturais entre diferentes grupos sociais na região Sul do Brasil. Estudar processos de construção de cidadania e de reconhecimento social, focalizando as tensões entre igualdade e diferença, unidade e pluralidade que se configuram nos movimentos sociais. Formular possibilidades de enfrentamento destas tensões na perspectiva de educação intercultural.
2013 2016 Cooperacao Científica com a Curtin University – Professor Visitante Atuei como professor convidado no instituto “Curtin Uni versity Sustainability Policies” (CUSP) em 20-25 de outubro de 2013, coordenado por Dora Marinova. A Curtin University gentilmente cobriu as despesas com viagem nacional, hospedagem e estadia nos cinco dias de permanência em Perth. No dia 21, Dora Marinova me conduziu a conhecer a sede do CUSP. No dia 22, realizamos um encontro no CUSP, com vários pesquisadores participantes do grupo. O grupo é bastante heterogêneo em termos dena cionalidades de origem e desenvolve diferentes pesquisas no campo da sustentabilidade. De modo particular encontrei Mariela, argentina-brasileira, com quem emergiu a possibilidade de cooperação em torno do seu projeto sobre cidades biofílicas. No dia 23, realizamos uma reunião com o reitor em exercício da Curtin University, David Wood, Dora Marinova e eu. O reitor em exercicio manifestou total apoio a projetos de cooperação com o IFC e UFSC, enfatizando bastante a possibilidade de realizar doutoradosem cotutela. Dia 24, apresentei a conferência e debate sobre Cultural interaction in Brasil: Epistemological challenges na sede do CUSP. A conferência foi vídeoregistrada e se encontra disponível em : https://vimeo.com/channels/cuspinstitute/77841864 . Como resultados desta visita, Dora Marinova decidiu visitar, com apoio financeiro da Curtin University, o IFC em 9-11 de abril de 2014 (onde realizou a conferencia de abertura do II SIEPE do IFC), bem como a UFSC, onde realizou um seminário junto ao PPGE e PPGICH na semana seguinte. Como resultados desta cooperação destacam-se publicações conjuntas, participação em processos de exame doutorandos da Curtin University, visitas de professores brasileiros, da UFSC e da FURB ao Curtin University Sustainability Policies.
2013 x Cooperação Cientifica Internacional com a Griffith University (Honorary Professor) O processo de cooperação científica com a Griffith University (Mt Grava tt, AU) iniciou-se em 2013, e se manteve mediante visitas anuais a esta universidade onde realizamos várias atividades acadêmicas, que permitiram realizar uma imersão no contexto regional e universitário, realizando contato com autoridades, professores, pesquisadores e estudantes chaves em diferentes áreas, de modo a dar início e a consolidar condições para o desenvolvimento de processos de cooperação cientifica com instituições brasileiras, particularmente com o Instituto Federal Catarinense e com a Universidade Federal de Santa Catarina. Em função destas atividades a Griffith University concedeu a nomeação de Honorary Professor no período de Dezembro de 2014 a Novembro de 2017. Destacam-se neste período a realização de diferentes seminários, oficinas e construção de projetos conjuntos de pesquisa, particularmente com o Griffith Institute for Education Research (GRIER).
2011 x Cooperação Cientifica Internacional com a University of Queensland (Honorary Professor) O processo de cooperação científica com a University of Queensland (Brisbane,AU) iniciou-se em 2011, e se manteve mediante visitas anuais a esta universidade onde realizamos várias atividades acadêmicas, que permitiram realizar uma imersão no contexto regional e universitário, realizando contato com autoridades, professores, pesquisadores e estudantes chaves em diferentes áreas, de modo a dar início e a consolidar condições para o desenvolvimento de processos de cooperação cientifica com instituições brasileiras, particularmente com o Instituto Federal Catarinense e com a Universidade Federal de Santa Catarina. Em função destas atividades a Universidade de Queensland concedeu a nomeação de Honorary professor no período de Dezembro de 2014 a Novembro de 2017. Destacam-se neste período a participação na organização e Projetos de extensão nos debates do Seminario “Diálogos Sul-Sul” em 2015 e 2017 e respectivas publicações científicas.
2010 2013 Diversidade Religiosa e Direitos Humanos O projeto da instituição de pro duzir materiais didáticos/paradidáticos destinados à subsidiar a construção de relações baseadas no reconhecimento e respeito à diversidade religiosa presente na cultura brasileira, na qual convivem inúmeras crenças e tradições religiosas, diante da necessidade de possibilitar maneiras de lidar com a convivência conflituosa existente no ambiente escolar devido ao preconceito direcionado a certas identidades e valores religiosos.
2009 2010 Curso de Formação de Professores para a Diversidade e Cidadania Formar profissionais da educação básica, nos níveis de ensino fundamental e médio das escolas públicas do Estado de Santa Catarina, no que concerne aos temas relativos a diversidade e cidadania. O curso de formação continuada à distância, objeto dessa proposta, envolve 240h de formação distribuídas em módulos temáticos que abrangem aspectos importantes dos temas da diversidade e visa formar professores e outros profissionais da educação da rede de ensino de educação básica, nos níveis fundamental e médio para a promoção e compreensão da educação como direito fundamental e estratégia para a promoção do desenvolvimento humano das diversas populações, para a inclusão de saberes diversos e enfrentamento de todo o tipo de discriminação e preconceito. O curso visa também proporcionar o estabelecimento de uma rede de colaboração virtual para a discussão e compartilhamento de informações e aprendizagem sobre práticas pedagógicas inclusivas na escola.
2009 x Cooperacao Científica com a Universidade de Montreal O processo de cooperacao científica da Univ ersidade de Montreal com a Universidade Federal de Santa Catarina e o Instituto Federal Catarinense, mediado pelos professores Reinaldo Matias Fleuri e Marie Mc Andrew se consolidou com a participacao desta professora no XII conresso da ARIC (2009) realizado em Florianópolis, bem como com sua visita em novembro e dezembro de 2012 à UFSC e a visita do prof. ReinaldoFleuri à Universidade de Montreal em março-abril de 2013, bem como pelo intercambio de estudantes de pos-graduação. 1, A visita da professora à UFSC e IFC realizou-se no período de 22 de novembro a 15 de dezembro de 2012. Neste periodo realizou diferentes eventos academicos e articulacao do processo de cooperacao internacional entre UFSC/IFC e UdM. 2. A estada do professor Reinaldo Matias Fleuri na Cátedra de pesquisa em Educação e Relações Étnicas do Canadá desenvolveu-se como previsto, de 12 de março a 04 de abril de 2013. Estágio como professor convidado configurou quatro grupos de atividades: 1) encontros individuais, como também coletivos, mais formais com os pesquisadores do CEETUM e de suas equipes associadas que têm interesse nas questões ligadas à educação e às relações étnicas, bem como de temáticas relacionadas; 2)intervenções do professor Fleuri em diversos cursos e seminários; 3) encontros com autoridades e colegas da Faculdade de Ciências da Educação para fazer, entre outras coisas, um balanço sobre os intercâmbios de estudantes no Programa Estudantes para o Desenvolvimento e 4) sessões intensivas de trabalho com a titular da Cátedra e diversos colegas da área ?Educação e Relações Étnicas?, a fim de amarrar de forma mais sistemática os trabalhos de teorização sobre educação inclusiva, prevista pela equipe de Québec no Programa de pesquisa 2010-2014 e do núcleo MOVER acerca da meta-análise e a teorização do campo da educação intercultural.
2008 2008 Construção Curricular da Educação de Jovens e Adultos (EJA-SESI/SC) na perspectiva R ealizar um percurso de formação continuada mediante a experimentação e a análise crítica, na perspectiva intercultural inclusiva, de um processo de construção curricular de educação de jovens e adultos, a partir e em função da prática desenvolvida no Programa Educação do Trabalhador no Ensino Fundamental e Médio -SESI/SC.
2007 2007 Curso de Capacitação de formadores para a educação inclusiva O Curso de Capacitação de formadores para a educa ção inclusiva realizado pelo SESI/SC, em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC/FAPEU), promoveu a formação de 51 profissionais envolvidos com processo de educação de pessoas com deficiências e de preparação para sua inserção no mundo do trabalho. O desenvolvimento do curso, de caráter introdutório, resultou em intensa formação de atitudes e de fundamentos teóricos para a promoção da educação inclusiva. Promoveu uma iniciação aos procedimentos metodológicos da prática de educação, que necessita ser aprofundada e aprimorada com base reflexão crítica da prática profissional em desenvolvimento e na apropriação dos recursos didático-pedagógicos pertinentes aos processos inclusivos. I – Do projeto Pedagógico 1.1. Desenvolver o Projeto Pedagógico para o Centro de Integração e Escolarização da Pessoa com Deficiência, contendo: 1.1.1. a concepção teórica da Educação Inclusiva e os autores que sustentam esta concepção; 1.1.2. o detalhamento da metodologia de trabalho da Educação Inclusiva; 1.1.3. a forma de articulação entre esta metodologia, a Educação Básica (Ensino Fundamental e Médio) do Programa SESI ? Educação do Trabalhador, considerando os processos de educação inclusiva de pessoas com deficiências visual, auditiva e/ou físico-motora em empresas. II ? Da elaboração dos Cadernos Técnicos 2.1. Com o objetivo de garantir ações educativas relevantes e efetivas, comprometidas com a formação e a aprendizagem dos alunos, se realizará a  istematização da metodologia de trabalho da Educação Inclusiva e a sua forma de articulação com a Educação Básica (Ensino Fundamental e Médio) do Programa SESI ? Educação do Trabalhador. 2.2. Para tanto, considerando os processos de educação inclusiva de pessoas com deficiências visual, auditiva e/ou físico-motora em empresas, serão desenvolvidos Cadernos Técnicos para uso pelo professor. 2.3. Como produtos finais desta etapa serão elaborados 04.
2005 2007 Curso de Formação de Educadores Populares de Capoeira na Perspectiva Intercultural A concepção do curso advém do Programa de Educação e Relações Interculturais (PERI). Por isso, este projeto passou a ser chamado PERI-Capoeira. É parte integrante do projeto integrado de pesquisa Educação Intercultural: elaboração de referenciais epistemológicos, teóricos e pedagógicos para práticas educativas escolares e populares , desenvolvido pelo Núcleo de Educação Intercultural e Movimentos Sociais (MOVER), do Centro de Ciências da Educação (CED), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Trata-se da realização, em parceria com a Confraria Catarinense de Capoeira, de um curso piloto de formação de educadores populares, visando à consolidação de um campo empírico de investigação para a formulação de referenciais teórico-metodológicos e didático-pedagógicos para práticas educativas na perspectiva intercultural. O curso de formação de educadores populares de capoeira envolveu 90 pessoas vinculadas à universidade e ao mundo da capoeira, entre organizadores e participantes, constituindo-se numa rica experiência pedagógica e de pesquisa educacional, que produziu referências teórico-metodológicas e didático-pedagógicas significativas para a formação de educadores populares. A sistematização da análise da experiência, com vistas à formulação de um projeto para ampliar e multiplicar o processo de formação pedagógica de educadores de capoeira, se tornou possível graças ao apoio suplementar da Fundação Cultural Palmares, do Ministério da Cultura (MinC), concedido mediante o convênio com a Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão Universitária (FAPEU).